Conheça o que está por trás das inflamações nas pálpebras



Ao redor dos nossos olhos há estruturas muito importantes para a proteção do globo ocular e manutenção da nossa visão. Para que isso ocorra da melhor forma possível, essas estruturas precisam estar saudáveis, e é justamente sobre isso que falarei a seguir.

A blefarite é um dos problemas mais comuns que afetam essa região, especificamente as pálpebras. Esta condição é uma inflamação aguda ou crônica que pode acometer pessoas de todas as faixas etárias e é capaz de impactar diretamente as glândulas que trabalham pela lubrificação da superfície ocular.

Essa doença é mais comum em pessoas com a pele mais oleosa, pois há maior tendência em secretar gordura, inclusive nos olhos. Esse quadro facilita o processo infeccioso.

De acordo com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia, uma das principais ações a serem tomadas para prevenir a blefarite é a correta higiene ocular, que inclui, por exemplo, o controle da oleosidade e retirada da maquiagem. A exposição aos restos desses cosméticos, bactérias, vírus, vento e poeira são fatores de risco consideráveis para o surgimento de uma inflamação.

Causas

A blefarite pode surgir em função de diversos fatores. Entre os mais comuns estão:

- Infecções bacterianas (estafilococos); - Infecções virais (herpes simples e varicela-zóster); - Reações alérgicas diversas; - Doenças de pele (dermatite seborreica, rosácea e dermatite atópica); - Disfunção da glândula meibomiana.

Sintomas

- Vermelhidão das margens palpebrais; - Vermelhidão do olho afetado; - Surgimento de pequenas crostas ou “caspas” nos cílios; - Secreção; - Lacrimejamento; - Sensação de ressecamento ocular; - Sensação de areia nos olhos; - Lacrimejamento excessivo;

É importante ressaltar que os sintomas podem variar de leves a mais intensos. A consulta precoce com um oftalmologista é muito importante para o diagnóstico e tratamento ainda em fase inicial, evitando complicações.

Tratamento

A intervenção recomendada pelo oftalmologista depende muito da causa da inflamação. De modo geral, são recomendadas compressas e limpeza regulares da pálpebra afetada, medicamentos para aliviarem os sintomas e colírios lubrificantes para ajudar no ressecamento ocular. Além disso, o médico pode indicar antibióticos e antivirais, a depender do caso.

- Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Revista Veja Bem. Ed. 08. Ano 03. 2015.

57 visualizações

Atendimento

Segunda

Terça

Quarta

Quinta

Sexta

Sábado

Domingo

8h00 às 18h00

8h00 às 18h00

8h00 às 18h00

8h00 às 18h00

8h00 às 18h00

8h00 às 12h00

Fechado

Instagram

Facebook

©  2020 Todos os direitos reservados à  Dra. Letícia Naves