Ptose Pálpebral: como corrigir?



A ptose palpebral ou blefaroptose, mais conhecida como “pálpebra caída” é caracterizada por disfunção ou incapacidade do paciente de elevar a pálpebra superior normalmente. Pode ocasionar problemas sérios na visão, interferindo na acuidade visual. Em outros casos, pode não existir influência na capacidade de visão, existindo, no entanto, uma preocupação com o aspeto estético. Esse olhar caído geralmente é devido a um comprometimento das fibras musculares estriadas do levantador e pode possuir etiologias diferentes, congênitas ou adquiridas.


É uma condição que pode afetar apenas um dos olhos (unilateral) ou ambos os olhos (bilateral). Também não há distinção de idade ou sexo. Nos adultos, a causa mais frequente de ptose está no alongamento do tendão do músculo que eleva a pálpebra. Já nas crianças, a ptose congênita geralmente provoca dificuldades aos músculos da face e, consequentemente, dificuldade de elevação na pálpebra.


Este problema não é o fim do mundo, mas também pode levar ao astigmatismo, por meio da indefinição constante das imagens visuais e até a perda da visão do olho afetado, pelo fato da pálpebra caída influenciar a capacidade de enxergar. Desta maneira, devemos levar em consideração quais as terapias existentes e como o diagnostico é realizado, para que possamos tratá-la a tempo.


A boa notícia diante disso tudo? A ptose palpebral tem tratamento! Pode-se fazer cirurgia, principalmente nos casos congênitos, visando a correção cirúrgica da pálpebra. Os músculos que elevam a pálpebra são encurtados, dando ao paciente uma melhor aparecia e bem-estar. A cirurgia é realizada com anestesia local e dura pouco tempo. As principais complicações que podem ocorrer dado o procedimento cirúrgico são: sensação de olho seco, infecções, sangramento, inchaços, entre outros, situações que podem ocorrer em qualquer procedimento associado à algum tipo de intervenção cirúrgica na face.


A recuperação da cirurgia de ptose palpebral é simples e baseia-se em uso de anti-inflamatórios, antibióticos e repouso, podendo durar cerca de 2 a 3 semanas para retomar a vida normal.


Que tal agendar a sua consulta para tirar suas dúvidas e marcar a sua correção? Fique de olho no seu bem-estar!



Fonte: Saito FL, Gemperli R, Hiraki PY, Ferreira MC. Surgical repair blepharoptosis: analysis of two types of surgical procedures. Rev. Bras. Cir. Plást.2010;25(1):11-17

-

Dra Letícia Naves - CRM MG 67265

📍 Av. Vasconcelos Costa, 962, 2° andar – Uberlândia-MG | (34) 3214-1050

📍 Rua Rio Branco, 130, Sala 306 - Araguari-MG | (34) 3241-1446 e (34) 3246-8586

152 visualizações

Atendimento

Segunda

Terça

Quarta

Quinta

Sexta

Sábado

Domingo

8h00 às 18h00

8h00 às 18h00

8h00 às 18h00

8h00 às 18h00

8h00 às 18h00

8h00 às 12h00

Fechado

Instagram

Facebook

©  2020 Todos os direitos reservados à  Dra. Letícia Naves