Você sabe o que é uveíte? Conheça e veja como se cuidar



Antes de falarmos sobre as possíveis causas e os tratamentos para uveíte, é necessário entender a estrutura ocular. Vamos lá:

O termo uveíte é utilizado para designar qualquer inflamação da úvea (constituída por três estruturas: a íris, o corpo ciliar e a coróide), devido à extensão desse complexo de estruturas, a uveíte pode ser classificada em anterior, posterior, intermediária ou difusa de acordo com a região do olho acometida.



SINTOMAS

Quem sofre com alguma inflamação na úvea costuma sentir dor, fotofobia (sensibilidade à luz), visão embaçada, moscas volantes, vermelhidão e até mesmo apresentar catarata, especialmente diante de um quadro crônico que dura entre meses e anos.

Mas esses sintomas podem variar, ou sequer aparecer, de acordo com a região afetada pela infecção. Por exemplo, a uveíte anterior apresenta a maioria dos sintomas incômodos, enquanto a uveíte intermediária costuma ser indolor, mas haver diminuição da capacidade visual e surgimento de pontos negros irregulares flutuantes (pontos flutuantes/moscas volantes). Já a uveíte posterior também costuma causar redução da visão e pontos flutuantes. O nervo óptico pode ficar inflamado (neurite óptica). Sintomas desta inflamação consistem em perda de visão, que pode variar de um pequeno ponto cego até a cegueira total e, por fim, a panuveíte pode levar a uma combinação desses sintomas.

QUAIS AS CAUSAS DA UVEÍTE?

Esse é um assunto delicado, já que suas causas ainda não são totalmente conhecidas e possuem origens diversas que podem estar relacionadas exclusivamente aos olhos (como a infecção por herpes, causada pelo vírus do herpes simples; herpes zoster, causada pelo vírus varicela-zoster; toxoplasmose e citomegalovírus), ou distúrbios que afetam todo o organismo (síndrome de Behçet, espondilite anquilosante, artrite idiopática juvenil, sarcoidose, artrite reativa, doenças intestinais inflamatórias).

Segundo a Sociedade Brasileira de Uveítes, as doenças autoimunes são a causa mais comum de uveíte anterior no Brasil, enquanto toxoplasmose é a causa mais comum de uveíte posterior.

COMO TRATAR:

Toda e qualquer inflamação nessa região deve ser tratada rapidamente, pois pode levar a complicações como catarata, glaucoma, perda progressiva da visão e cegueira.

Para isso, é fundamental que qualquer pessoa com suspeita de uveíte busque atendimento com um oftalmologista que poderá avaliar o quadro e determinar o melhor tratamento de acordo com a área acometida pela infecção.

Falando sobre tratamento, ele quase sempre inclui corticosteróides em geral sob a forma de colírio e, apenas ocasionalmente, são necessários outros tratamentos, como cirurgia, uso de laser, medicamentos aplicados no olho ou injetados na veia (intravenosamente) para conter o sistema imunológico (imunossupressores).

Fonte: MSD Manuals

353 visualizações